Correios, o início: A Carta de Pero Vaz de Caminha



Escrita em 1500 para descrever a descoberta dos portugueses de novas terras, a Carta de Pero Vaz de Caminha, datada em Porto Seguro no dia 1 de maio daquele mesmo ano e levada à Lisboa por Gaspar de Lemos, comandante da frota de mantimentos, representa a Certidão de Nascimento do país e o início simbólico do serviço postal brasileiro. Foi destinada ao rei de Portugal, D. Mamoel I, conta a descoberta oficial da Terra da Vera Cruz e relata de forma entusiamada detalhes da viagem e da chegada, sendo o primeiro documento escrito da história do Brasil. Por questões políticas de Portugal frente suas novas descobertas no século XV, pois não queriam que os espanhóis soubessem, a carta manteve-se inédita por mais de 2 séculos no Arquivo Nacional da Torre do Tombo, sendo descoberta em 1773 por José de Seabra da Silva e noticiada pelo historiador espanhol Juan Bautista Muñoz. Foi publicada no Brasil pelo padre Manoel Aires de Casal, em 1817 e seus detalhes revelam o excessivo entusiasmo frente às novas descobertas do Novo Mundo.
Linguisticamente, a carta apresenta um português muito diferente do nosso português atual, resultando em algumas dúvidas de tradução, o que não impede de conseguirmos traduzi-lo no contexto geral. Seu texto é objetivo, relatando não só detalhes ricos de lugares e pessoas, mas também a impressão pessoal do autor. Caminha chega a fazer trocadilhos e brincadeiras com as novas terras e também com as índias, comparando-as com as mulheres portuguesas. Sua característica humana é marcada por passagens corriqueiras da vida dos índios, seus costumes e lugares, além disso torna-se um importante documento de legitimidade da nova descoberta. À época, as expedições marítimas portuguesas encontravam certa resistência em explorar terras americanas, pois outras nações européias também reivindicavam esse direito. Para "regularizar" a situação, a carta serviu como testemunho desse novo achado e hoje representa incontestavelmente um documento de extrema importância para a História. De qualquer forma, fato é que a chegada dos portugueses moldaram de forma definitiva a imagem do país que viria a ser chamado de Brasil. Com a chegada dos nossos patrícios o país entrou definitivamente no contexto global, e nossa cultura foi a partir dali construída, resultando em tudo o que somos atualmente tanto política, religiosa e socialmente, levando-se em conta, obviamente, a influência de outros povos que vieram para cá.
Curiosamente, o primeiro relato de nepotismo que se tem notícia no país encontra-se na carta. Pero Vaz pede a D. Manoel I um emprego para um sobrinho, do qual descreve um rapaz competente e cumpridor de deveres. Hoje a carta encontra-se em Portugal, no Arquivo Nacional da Torre do Tombo, em Lisboa.
Veja a Carta de Caminha na íntegra em português "traduzido":
E em português "original":
Fontes:

Um comentário:

  1. Podemos observar a raíz de certos males de ordem social, política e moral na época do descobrimento do nosso país. Desde então, o que se implantou aqui foi uma cultura de impunidade nos mais variados níveis, solidificada pela incapacidade de questionamento do povo nativo e suavizada pela aparente aura inocente de "novo país, nova ordem, novos costumes..."

    Parabéns pelo blog! Está ótimo.

    Beijos...

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.